Compilações: Trilogia Anna e o beijo francês de Stephanie Perkins





Anna e o Beijo Francês by Stephanie PerkinsFoi há 3 anos que li pela primeira vez o livro "Anna e o beijo francês" na altura ainda não editado por terras portuguesas. Lembro-me que li-o num pdf manhoso no computador e que tinha gostado mas a verdade é que não tinha captado grande coisa da estória, talvez por ter lido num computador enquanto fazia outras coisas. Fiquei contente com o lançamento do livro em português mas sempre suspeitei que a trilogia dificilmente seria toda publicada em português. Não me enganei, visto que não irá sair mais nenhum. Sendo assim restava-me reler o primeiro livro e ler os restantes livros em inglês. A releitura fez-se em poucos dias e para minha surpresa não gostei tanto como estava à espera. Lembrava-me muito pouco do que tinha lido, portanto era quase como se tivesse a ler o livro pela primeira vez mas desta vez o livro não teve o mesmo impacto e o mesmo encanto que teve em 2012. Não sei se é por eu pensar cada vez mais no que leio mas achei a Anna de uma hipocrisia tremenda. E um pouco (só um pouquinho burrinha). Qualquer apaixonado por cinema (e não só) sabe que o cinema nasceu em França pelos irmãos Lumiére, e que França é um dos países da Europa que mais apoia o cinema...mas pronto a Anna que é apaixonada por cinema não sabia disso! Please --'
Depois toda aquela situação com o St. Clair e o Toph e a melhor amiga, fez da Anna uma das personagens mais falsas e sonsas que li nos últimos tempos. Ela não queria o Tolph mas a melhor amiga também não podia estar com ele, não queria o St. Clair porque tinha namorada e era imoral mas depois não parava de pensar nele e queria-o só para si. Achei-a um pouco infantil e muito imatura. 
Este livro acabou por-me desiludir mas mesmo assim decidi arriscar e ler os outros dois livros da trilogia.


Lola and the Boy Next Door (Anna and the French Kiss, #2)
Lola and the boy next door acabou por não ser tão mau quanto eu estava à espera. Acho que das três personagens femininas, a Lola foi a que mais gostei apesar de ser completamente chata e insuportável em várias passagens do livro. A autora soube explorar bem a relação dos gémeos, que como todos sabemos, irmãos gémeos têm sempre um elo especial e uma ligação sem igual. Foi bom ter esta visão do Cricket e da irmã, de como protegiam-se mutuamente, evitando com que o irmão gémeo tivesse desgostos e desilusões.
Até gostei da Lola, como disse às vezes era chata, mas gostei que a autora tivesse arriscado numa personagem completamente diferente da Anna, mais rebelde, mais segura de si. Achei todo o ambiente e a estória do livro muito mais realista do que em Anna e o Beijo francês. Foram pequenos apontamentos que foram dando vericidade ao livro, como o facto de a Lola ter namorado logo ao início do livro, ou ter pais gay. Confesso que adorei este detalhe, foi sem dúvida algo de novo e de fresco mas a autora podia ter arriscado um pouco mais e explorado a relação da Lola e os pais. Tivemos apenas um pequeno vislumbre e eu queria mais. Até porque este tipo de temas precisa de ser falado nos livros...e não só nos livros de não ficção. A ficção é o melhor exemplo que podemos ter da realidade.
Mesmo assim "Lola and the boy next door" não foi mal de todo e deu-me fôlego para o último livro da trilogia.


Isla and the Happily Ever After (Anna and the French Kiss, #3)
Alguns diziam que o terceiro livro era o mais fraco de todos, outros diziam que era o melhor. Sinceramente não achei nem o melhor ou pior, para mim está em pé de igualdade com os irmãos da trilogia.
Começando pelo que não gostei tanto. Do local onde decorre o livro. Nova Iorque é sempre uma cidade de sonho com múltiplas zonas para explorar. É a cidade que nunca dorme e gostava que a autora tivesse explorado mais a aura cosmopolita da cidade. Falando do casal principal, eu não tive nenhum problema com a Isla só a achava às vezes sonhadora e romântica de mais. A sua paixão platónica pelo Josh até foi divertida de se ler, se bem que também cheguei a revirar os olhos com tanto amor declarado pelo rapaz.
Mesmo assim tenho de dizer uma coisa, a autora conseguiu com três livros, criar três relações todas diferentes, nunca indo pela mesma fórmula. Só isto mostra a versatilidade de Perkins como escritora.
O Josh pareceu-me muito fofo e tal como aconteceu com os livros anteriores, também gostei mais da personagem masculina do que da feminina.
Adorei a introdução do tema do autismo, embora que tenha sido bastante subtil, foi pena a autora não ter explorado mais. Sei que me estou a repetir mas frustra-me imenso que a autora tenha todos os ingredientes certos para livros fantásticos e fique apenas pelos "preliminares", se é que me entendem!
Outro ponto que gostei mas soube a pouco foi a veia artística de Josh e acredito que este livro teria sido muito melhor se tivesse ilustrações/desenhos a acompanhar o texto. Sinceramente não sei como é que um livro pode focar-se tanto no mundo das artes, e o livro não ter uma ponta de arte gráfica no seu interior. A parte onde todas as personagens se encontram foi gira de se ler, talvez tivesse gostado mais se tivesse adorado os livros anteriores. Como não aconteceu, esta reunião passou-me ao lado.

Conclusão esta trilogia soube-me sempre a pouco, confesso que não consegui sentir-me encantada com nenhum dos livros, souberam-me a pouco. Para mim são apenas livros "OK" e sei que estou em minoria mas de consciência tranquila com isso! :)

Estes três livros foram lidos em formato digital no Cybook Muse Frontlight da Bookeen.



1 comentário:

  1. Já li Anna e o Beijo Francês e gostei, mas penso que se o lesse outra vez também não ia achar tanta piada. Quanto a Lola e o Garoto da Casa ao Lado, não sei bem porquê, mas o livro começou a irritar-me e eu simplesmente desisti de o ler, apaguei o e-book e pronto... Mas talvez se devesse à fase que eu estava a passar... não sei!
    Beijinhos
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!