15 de julho de 2013

Opinião Contemporânea: "A Menina do Tennessee" de Sara Martins


A Menina do Tennesse foi uma boa "surpresa Portuguesa", isto é, já há muito tempo que não lia um livro de um escritor jovem português que fluísse naturalmente.
Esta foi uma leitura leve, sem grande conteúdo ou desenvolvimento da história, mas a escritora tem ali algum talento que, apesar de ainda poder melhorar, está no bom caminho.
Tal como disse, a história está muito básica, sendo o romance típico e proibido.
Penso que as descrições poderiam ser um pouco mais desenvolvidas, e os diálogos são um pouco forçados, mas de resto não tenho muito mais a apontar.
No geral, é um livro bom, principalmente para quem gosta de apoiar os escritores portugueses e o produto nacional.

Citação:
Página 7, "Era o mesmo sol, sempre fora e sempre seria, independentemente do sitio onde estivesse. O que mudava era a maneira como a vida a fazia olhar para ele."

Estados Unidos da América - Anos 60
Ursula é uma simples rapariga a viver numa pequena cidade do Texas. Para além do carinho da tia, ela encontra o prazer da alegria e algo mais com o primo Tommy, sempre que os visita no Tenessee.
Com o passar do tempo, ambos descobrem um sentimento intrigante que, supostamente, não deveriam sentir um pelo outro.
O facto é que não o podem assumir e, dolorosamente, tentam abstrair-se dele. Mas estaria o destino a ser assim tão cruel com eles?
Quando Ursula descobre um segredo que poderá mudar tudo, a esperança renasce. A realidade já não é a mesma. Mas as circunstâncias que a levaram a descobrir uma verdade escondida há muito tempo, trazem também consequências.
Rodeada sempre por quem a poderia amar, Ursula não consegue esquecer o seu amor por Tommy. O tempo vai passando. Só uma mudança na sua vida poderá trazer-lhe a esperança de ser feliz, mesmo sem ele. Dividida entre o seu amor por Tommy e a tristeza que a revelação lhe poderia causar, Ursula decide deixar tudo para trás e atravessar parte dos Estados Unidos para esquecê-lo.
Em Miami, conhece e vive o glamour e a magia da época.
Quando menos esperava, o destino mostra-lhe que guardara a bonança depois da tempestade. Afinal também ela tinha uma verdade a ser-lhe revelada.
"O que é nosso a nós retorna", já dizia o ditado.

1 comentário:

  1. Fiquei encantada com a sinopse. Tão bem escrita... Vou tentar lê-lo :)
    Beijinho

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!