25 de junho de 2017

Opinião Contemporânea: "George" de Alex Gino



Começo por dizer que este é o 2º livro que leio este ano sobre transgéneros, o primeiro foi "Se eu fosse tua". Nunca tinha lido nenhum e agora já tendo lido dois, percebo que seja um tema que ainda tem muito por explorar e ensinar a quem não entende muito sobre o assunto da identidade de género. 
25615902
Este chamava-me ainda mais a atenção por ser um livro infantil, ou seja desta vez saímos do YA e descemos ainda mais na idade e portanto estava curiosa de ler algo sob a visão de uma criança.
Não é um livro grande, o meu ebook nem  chegava às 100 páginas e foi lido rapidamente. Também ajudou a ter uma linguagem descomplicada e directa.
Aqui conhecemos George uma menina de 10 anos que embora tenha nascido biologicamente rapaz, em tudo sente que é uma menina e por isso, quando surgem abrem as inscrições para a uma peça de teatro da escola. George sente que deve interpretar uma personagem feminina.
Este é o mote do livro com uma questão muito maior por trás. Aqui temos a visão de uma criança que já sabe que é rapariga e tem a certeza disso e não é apenas uma fase como muitas vezes se associa a este tipo de situações.
Como o livro é muito curto não dá para contar muito mais mas é sem dúvida um livro diferente de tudo  o que já li.
Gostava de ter lido mais sobre como a a George percebeu que era uma menina, queria mais sobre o seu lado psicológico, algo mais aprofundado, mas percebo a faixa etária do livro portanto sei que é um livro destinado a crianças que tal e qual como a George ainda têm um pensamento muito pouco desenvolvido sobre estes aspectos e têm aquele factor de ingenuidade que tanto gostamos. Admito que fiquei surpreendida com algumas situações do livro, nomeadamente as reações da melhor amiga da George e a do irmão sem esquecer a da mãe. Contudo acho que o livro tem uma "vibe positiva" que acredito que seja excepção e não regra infelizmente, pois sabemos que não é comum ter tanto apoio positivo tanto a nível familiar, como de amigos e até da escola.
O facto de não ter dado 5 estrelas foi mesmo por isso. Para além de achar o livro pequeno demais para um tema tão importante como a identidade de género, sinto que este livro não tenha força suficiente para ajudar a quem o possa ler e esteja a passar pelo mesmo, até porque é nos dado a entender que o livro segue uma certa direcção mas depois não chegamos a perceber se a George realmente inicia a sua transição. Contudo, o último capítulo é amoroso e deixa um sentimento feliz.
Pena que não esteja publicado cá mas se conseguirem apostem nele pois vale a pena.


"When people look at George, they think they see a boy. But she knows she's not a boy. She knows she's a girl.
George thinks she'll have to keep this a secret forever. Then her (4th grade) teacher announces their class play is going to be "Charlotte's Web." George really, really, REALLY wants to play Charlotte. But the teacher says she can't even try out for the part ...because she's a boy.
With the help of her best friend, Kelly, George comes up with a plan. Not just so she can be Charlotte - but so everyone can know who she is, once and for all."


 

1 comentário:

  1. Este livro fez-me recordar da polémica à volta da filha de 11 anos de Angelina Jolie e Brad Pitt.

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!