31 de agosto de 2016

Opinião Histórica: "Retrato do meu coração" de Patricia Cabot



Estava à espera deste livro desde 2012 e posso dizer que não desiludiu.

Gosto imenso de Patricia Cabot ou Meg Cabot como preferirem e já há bastante tempo que não lia nada desta autora embora ainda tenha o último dela publicado cá por ler.

Foi muito bom voltar ao romance de época e especialmente com uma narrativa tão envolvente quanto a deste livro. Para quem leu "A Rosa Selvagem" já conhece Jeremy e agora vai conhecer melhor não só este duque como a sua amada: a Maggie! 

Retrato do meu coração (Rawlings, #2)Neste tipo de romances muitas vezes é difícil encontrar diferenças em tantas histórias parecidas e com  mesma estrutura, mas a autora soube introduzir alguns elementos que, mesmo não muito profundos, sempre dão algum contexto social e histórico ao livro. Aqui é notório com a situação de Maggie que quer ser uma pintora, uma artist independente mas que não tem o apoio da família pois o pensamento é que as mulheres não podem criar nada, pois o seu lugar é tomar conta do marido. Claro que este assunto nem é o tema principal da história mas foi bom ver esta inclusão.

O romance de Jeremy e as suas picardias com a Maggie são o foco deste livro, Os capítulos sucedem-se com muitos mal entendidos e com muita falha de comunicação  confesso que mais para o fim já sentia que a autora estava a enrolar um pouco,  já podia ter terminado a história se não criasse tantos mal-entendidos mas este foi talvez o único momento que achei o livro estava a arrastar-se, porque de resto a leitura fluiu que nem uma maravilha.

Caso ainda não saibam eu adoro quando os títulos tem uma relação directa com a história do livro e aqui é mais que evidente o porquê deste título e portanto gostei dessa parte.
Centrando-me nas personagens gostei um pouco mais da Maggie do que do Jeremy, às vezes achava-o muito presunçoso enquanto que a Maggie era mais simpática. A cena mais divertida pra mim foi a conversa entre eles de quando ele drogou a criada.

Destaque ainda não só para o núcleo secundário mas também para a inclusão de temas ligados à Índia, foi bom ler um pouco do Oriente numa sociedade londrina do século XIX e de como achavam tudo exótico. 

Não é de todo obrigatório ler o primeiro livro para ler este. Como já li "A Rosa Selvagem" há muito tempo entre os dois sou capaz de preferir agora este embora ache que os leitores ficam muito bem servidos com qualquer um dos livros. 

A vida conspirou para os separar… mas o destino voltou a uni-los
Há alguns anos, num instante explosivo, a rivalidade de infância transformou-se em paixão selvagem para Jeremy, o belo e jovem duque de Rawlings, e Maggie Herbert, o objeto do seu afeto. Infelizmente, o escândalo que se seguiu baniu ambos para cantos opostos do mundo.
Agora o destino reuniu Jeremy e Maggie para uma longa dança de desejo, tão inflexível como os próprios amantes. Jeremy, um soldado condecorado, está determinado a finalmente reclamar Maggie. E Maggie, prestes a casar com outro, vê descontrolarem-se as suas fantasias secretas com Jeremy. Tudo o que os separa e à paixão escaldante que os anos já não podem abafar é o passado… e um presente repleto de ciúme, intriga e perigo...
Ao longo da infância, Jeremy, o jovem duque de Rawlings e Maggie, a sua vizinha, foram rivais de jogos, até ao dia em que a infância dá lugar à juventude e a rivalidade se transforma em paixão. São descobertos pelos pais, que enviam Jeremy para a Índia. Após o seu regresso, Maggie está prestes a casar com outro. Ela acredita ter esquecido Jeremy mas, ao vê-lo, todos os seus desejos reprimidos voltam em força. 

2 comentários:

  1. Que bom que gostaste!! Já fico mais confiante que vou gostar :D

    ResponderEliminar
  2. Ainda não tive oportunidade de ler nada dessa autora, mas tenho cá em casa o livro "Um Pequeno Escândalo" e espero que seja tão bom como esse. Fiquei curiosa e de certeza que vou querer ler esse também :D

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!