26 de fevereiro de 2016

Opinião New Adult: "A Primeira Chance" de Abbi Glines



Não sei se deva escrever esta opinião enquanto a lembrança está tão fresca, ou tão quente. Definitivamente Harlow desiludiu-me bastante. Não consigo ter pena da coitadinha. Ao contrário de Blair, a minha personagem favorita desta saga até agora, Harlow tem uma auto-estima baixíssima, é ciumenta até mais não e só mostra uma personalidade mais forte quando está despida! Sinto que ela é injusta com Grant do inicio ao fim e neste último capítulo, em que a culpada é ela, mas mesmo assim ela arranja mais uma desculpa para atirar a culpa para ele, o meu desagrado ainda é maior. Grant é o meu personagem masculino preferido, e portanto, ao vê-lo assim sempre atrás dela, sendo crucificado por tão pouca coisa, dá-me um pouco de nervos.
Achei que o final foi meio repentino. A autora devia ter desenvolvido mais a questão do segredo de Harlow visto que desenvolveu e se aproveitou dos não segredos de Grant. Então da relação deste com Nan, ui, quase falou mais destes dois que do casal principal.
Também achei que não houve muita acção nesta história, só agora no final com a questão dos paparazzi é que houve ali uma emoção mais arrebitada, ao contrário do resto do livro que é drama, drama e mais drama. Principalmente dentro da cabeça da personagem feminina principal.
Gostei do segredo de Kiro com Emily e já sei que há um volume dedicado a eles os dois, que eu estou ansiosa para ler. Não concordei muito com a questão de guardar segredo da filha e desta, quando descobre, ir lá uma vez e depois parecer que nunca mais pensa nesse assunto, fora numa conversa com Blair. Ok, ela foi criada com a avó, mas é a mãe dela que não teve culpa de não poder educá-la. E já que ficou tão emocionada com o amor do pai pela mãe, podia-se inspirar e tentar estar mais presente. Não?
Mais uma vez, adorei a presença constante de Blair e Rush do inicio ao fim, tal como as referências e aparências de Bethy. Continuo ansiosa por vê-la melhor e conhecer o inicio de toda a sua revolta.
Em relação a Nan, manteve-se fiel a ela própria, o que é muito bom, pelo menos é uma personagem que se mantém constante, ao contrário da sua meio-irmã que ou parece que se encolhe e tem medo e dúvidas de tudo, ou está a sair com o professor de ténis ou a responder de maneira afiada num momento de inspiração. Deve ter sido a presença do meio-irmão que lhe aqueceu as costas e lhe deu alguma pujança.
E o que foi aquilo de August?! Foi sem dúvida a surpresa do livro. Não estava nada à espera. Pelo contrário, até estava com uma certa esperança de ele se tornar importante num futuro próximo.
Mas voltando a Harlow, como podem reparar, não sou fã desta personagem. A sorte é que adoro Grant e todo o seu charme, paleio e até atitudes. Aqui vemos que ele é o típico gajo e o problema é que vemos também que apesar de Harlow ser descrita como santa ela não sabe o que é perdoar, porque ela não perdoa nada! Aliás, nem tem que perdoar nada em relação ao Passado de Grant, porque ele é isso mesmo... Passado! Já foi!
A questão dos telefonemas, ou ausência destes também não foi explicada. Ele disse que telefonou, ela disse que não viu nada e pronto. Acabou o livro e não ficámos a saber a conclusão e quem tinha razão.
Como sem querer li o livro seguinte antes deste, começo a lembrar-me de outras lacunas. Como a questão da futura gravidez. Aqui não há nenhum "acidente" apesar de ter havido "descuidos" portanto presume-se que Harlow é fértil a 200%. A questão é que não há uma ligação, em relação a este tema/acontecimento, entre este livro e o outro. Aqui nada aconteceu, supostamente, mas no seguinte já ela sabe que está grávida. Hum, e os sintomas? Abbi Glines tira-nos este período de tempo o que é um ponto negativo para mim sem dúvida. Em livros como estes, que são tão viciantes, queremos acompanhar todas as etapas e momentos dos nossos personagens, o que não acontece.
E Woods e Della? Quando vão arranjar um bebé tão fofo como Nate? Estes dois também tiveram poucas aparições por aqui. Já tenho saudades!
Ai e quando Nate diz a primeira palavra? Momento de família mais fofinho!!!
De resto, Rosemary continua muito bem, com o seu clima e a sua praia. Continuo, portanto, com vontade de ir para lá e acompanhar de perto todos estes capítulos de vida.

Harlow é uma jovem incomum. Filha de um astro do rock, a garota bonita e inocente nunca se aproveita da fama do pai e prefere levar uma vida sossegada. Mas seus dias de tranquilidade terminam quando ele sai numa longa turnê de nove meses e ela vai passar esse tempo na Flórida com sua meia-irmã Nan.
O problema é que Nan a odeia. Acostumada a ser o centro das atenções, ela morre de inveja de Harlow, que, além de ser a queridinha do pai, atrai os olhares masculinos por onde passa.
Harlow não entende por que Nan a maltrata tanto, mas acha melhor se esconder atrás de seus livros e passar o maior tempo possível no quarto para não correr o risco de provocar sua ira. Porém seus planos vão por água abaixo quando ela esbarra com Grant Carter de cueca na cozinha.
Grant cometeu um erro terrível ao passar uma noite com Nan, sua ex. Ela conhece seus pontos fracos e sabe seduzi-lo, mas ele se arrepende por ter caído em tentação. E logo no dia em que conhece Harlow, a garota que faz seu coração acelerar.
Grant está desesperado para conquistá-la, mas será que destruiu suas chances antes mesmo de conhecê-la? Só o que Harlow quer dele é distância. Afinal, que tipo de pessoa se envolveria com uma criatura amarga feito Nan?

2 comentários:

  1. Bom dia, desde já adoro o vosso blog! Queria saber onde adquires os livros em brasileiro? Obrigada e beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Beatriz,

      existem vários sites de editoras brasileiras que disponibilizam os ebooks gratuitamente.

      Obrigada.

      Beijinhos
      Ne

      Eliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!