15 de julho de 2015

Opinião New-Adult:"Sr.Daniels" de Brittainy C. Chery



Contém ligeiros spoilers

Quando no mês passado li "Amor Cruel" de Colleen Hoover, o GR inundou o meu feed com recomendações de livros semelhantes e que provavelmente eu iria gostar. Nunca ligo muito aos livros que aparecem do lado direito na página de um certo livro - já apanhei em alguns casos, livros que não têm nada a ver - mas supostamente vêm em recomendação de outro.

"Loving Mr.Daniels" era uma dessas recomendações. Face à sinopse e algumas opiniões positivas, fiquei com curiosidade para lê-lo. Apesar de já ter o meu leque de eleição de autoras de New Adult, acredito que há muita coisa desconhecida ainda por explorar, aliás Colleen Hoover também foi uma dessas autoras, primeiro auto-publicada e só posteriormente encontrou o sucesso. 
A sinopse era tentadora e gosto muito de romances proibitivos. O facto de também ser só um livro fez com que o interesse aumentasse. Foi então com alguma expectativa que comecei a leitura do Sr. Daniels.
Sr. DanielsA estória baseia-se na relação entre um professor e uma aluna, abordando outros temas, nomeadamente o luto. A semelhança de temáticas fez-me pensar que iria encontrar outro livro tão bom como foi "Amor Cruel". Era a única referência das minhas últimas leituras e confesso que ao ler o livro ia sempre comparando os dois livros e as duas autoras. Não gosto de fazer isso, porque acredito que cada livro deve ser avaliado por si só, mas foi inevitável desta vez, tal era o impacto e a influência que Hoover tinha deixado, num género em que é a rainha.

"Sr. Daniels" não é mau, até é uma leitura bastante decente que entretêm um bocado, mas encontrei muitas falhas que fizeram-me não gostar tanto do livro como pensava que ia gostar.

Começando pela a abordagem das temáticas. Gostei bastante do tema das cartas e da protagonista lidar com a morte de um ente querido. Deu alguma profundidade à personagem e criei alguma empatia com a Ashlyn. Mais uma vez como em inúmeros livros, gostei muito mais da personagem masculina, o Daniel. É incrível como as autoras conseguem criar personagens masculinas muito mais apelativas que as femininas. Os problemas de Daniel também foram bastante instigantes de ler, não estava de todo à espera aquela aparição do irmão a meio de da estória.

Uma das críticas que tenho a apontar é o facto de a autora não ter tido mão na dose de drama ao longo do enredo. Achei desnecessário o que aconteceu ao Ryan, personagem que até gostava e este acontecimento teve pouco impacto nas acções seguintes. Se virmos bem, ao longo do livro são referenciadas umas cinco mortes! Ou a autora é fã do G.R Martin ou então não sabe dosear tragédias. A falta de empatia da Ashlyn com o que aconteceu ao Ryan também me aborreceu, até porque páginas antes andava a protegê-lo e considerava-o como um irmão.  

O romance também me desiludiu pois achei que a autora não abordou da melhor maneira a relação dos protagonistas. Centrou-se muito em romancear o amor de Daniel e da Ashlyn mas preocupou-se pouco na relação como professor e aluna. Que é o que dá o mote ao livro, é ambos estarem numa relação imoral, proibida, pouco ética. A autora não teve capacidade suficiente para fazer-nos questionar a relação entre os dois, se era certa ou errada, por exemplo. A autora podia ter arriscado mais a relação proibida entre os dois, não achei que desse argumentos suficientes, pois mais parecia um romance comum entre uma adolescente e um homem mais velho, que só por acaso é seu professor. Também não houve reflexão suficiente pela parte da Ashlyn e do Daniel em relação ao que andavam a fazer. Só tinham receio que alguém descobrisse... Fiquei desapontada por a autora não pôr as personagens a questionar as suas atitudes e não por o leitor a pensar no que está a ler. Principalmente pela parte do Daniel, até parecia que era um comportamento normal e profissional um professor namorar uma aluna. Um ponto que podia ter sido mais explorado.

O fim...foi estranho. Muito estranho a forma como a autora desenvolveu os últimos capítulos, o reencontro entre os dois foi quase irreal dado que numa dúzia de páginas temos narrados eventos de três anos. A reunião da Ashlyn e do Daniel não teve qualquer impacto, pois acontece em meia dúzia de linhas para no capítulo seguinte terem o seu final feliz. Mais uma vez, carência de desenvolvimento e fraca estrutura de plot! A autora não soube terminar o livro e apressou as coisas. 

Por fim,o último ponto negativo é para a construção frásica...o inglês nem é a minha língua principal e achei que algumas coisas não me soavam bem. 
"Loving Mr. Daniels" podia ter sido muito melhor, teve momentos doces que eu simplesmente adorei (p.e as cartas ou as passagens citando Shakespeare) mas nota-se que a autora não soube desenvolver a estória que tinha, tem potencial mas é um livro que vê-se claramente que precisava de uma revisão para torná-lo muito melhor. 
Um amor proibido no melhor estilo de Romeu e Julieta Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings é enviada pela mãe descompensada para a casa do pai, com quem mal conviveu até então. Devastada, Ashlyn viaja de trem para Edgewood carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã. Na estação, Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil. A atração é imediata, e, depois de um encontro romântico, os dois descobrem que compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare, mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. O único problema é que, quando Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor, descobre que Daniel é o Sr. Daniels, seu professor de inglês, com quem não pode de jeito algum ter um relacionamento amoroso. Desorientados, os dois precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, ainda precisam tentar de todas as formas superar problemas do passado e sobreviver a alguns conflitos inesperados e dramáticos que a vida apresenta – e que poderiam separá-los para sempre. Para fãs de Colleen Hoover, de Jamie McGuire, e leitores do gênero New Adult.

1 comentário:

  1. Não é um livro que me interesse minimamente, até porque a maioria das resenhas que eu li tiveram a mesma opinião que tu. Mas amei a capa <3
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!