10 de junho de 2015

Opinião New Adult: "Amor Cruel" de Colleen Hoover



O meu desejo de ler Colleen Hoover já arrasta-se há uns bons meses. Intensificou-se no ano passado com a publicação do seu primeiro livro em português, mas o livro que mais me despoletava interesse era o seu único livro que não faz parte de nenhuma duologia ou trilogia: Ugly Love.

Ainda para mais, com os rumores da adaptação ao cinema, o bichinho foi aumentando cada vez mais e adicionando a publicação do livro em português, era agora a altura ideal para estrear-me com esta autora.

25618294Embora o livro não seja muito grande  ainda demorei uns dias a ler "Amor Cruel". Não por não estar a gostar, até era mais pelo contrário, por estar a gostar tanto, não queria que acabasse, queria saborear as personagens e ir descobrindo o passado de Miles vagarosamente.

Portanto foi uma leitura em lume brando mas com muitos picos de cenas quentes. Pessoalmente achei demasiadas cenas para um livro tão curto e principalmente muitas foram seguidas. Embora sejam cenas até bem escritas e não tão explícitas (já li bem pior), gostava que a autora não tivesse dado tanto foco às cenas sexuais, ou que fossem mais espaçadas em todo o enredo.

O plot do livro é banal e cliché, mas também não são as estórias que me fazem ler livros New Adult. Aqui procuro muito mais pela construção das personagens. Miles e Tate são personagens até estereotipadas, ela é a apaixonada, ele é o misterioso com um passado negro. Isto tudo já foi visto em outros livros...mas  então o que difere a escrita e a popularidade de Hoover em relação aos outros? 
Pessoalmente é a sensibilidade e o tom realista que a autora incute na sua escrita e na construção das personagens. Não me refiro apenas ao casal principal mas a todo o leque de personagens secundárias, que dão um equilíbrio perfeito ao enredo. Muitas vezes - em outros livros - as personagens secundárias são quase nulas, sem qualquer papel impactante na estória, mas aqui não. Elas tem uma presença que marca a diferença. Exemplo disso é Cap, personagem que adorei. 

A autora sabe conjugar e explorar muito bem todos os sentimentos das personagens e sabe passá-los para o leitor. Certamente que tem o dom de contar histórias e de brincar com as palavras. É palpável, a angústia e a tristeza de Miles; a pertinácia e vulnerabilidade da Tate, a lealdade de Corbin, a sabedoria de Cap. 

A linha narrativa divide-se entre a Tate e o Miles e entre o presente e o passado, respectivamente. Gostei muito de como a autora narrou todo o livro, dando-nos a perspectiva tanto feminina como masculina. Com esta divisão, é nos dada a oportunidade de conhecer muito melhor o casal principal, pois muitas vezes só temos o ponto de vista da protagonista. Ver a evolução de Miles como personagem é algo de cativante. Ver como a armadura que construiu para si mesmo se vai derretendo até ao último pedaço devido ao amor de Tate é algo de maravilhoso. 
Contudo, achei alguns pensamentos da Tate um pouco repetitivos mas nada que prejudicasse a leitura.

As páginas finais foram o ponto alto da leitura. Desde os últimos capítulos até ao epílogo, começam as palpitações em querer que tudo acabe bem até abrir-se um sorriso com as linhas finais do livro.

Em resumo, este livro foi uma óptima estreia! Agora é esperar pelo filme e ir lendo os outros livros que entretanto já entraram para a wishlist! 

Tate é enfermeira e muda-se para São Francisco, para casa do irmão Corbin, para estudar e trabalhar. Miles é piloto-aviador e mora no mesmo prédio de Corbin. Depois de se conhecerem de forma atribulada, Tate e Miles acabam por se aproximar e dar início a uma relação exclusivamente física. Para que esta relação exista, Miles impõe a Tate duas regras:
«Não faças perguntas sobre o meu passado. Não esperes um futuro.»
Tate aceita o desafio de manter uma relação distante, sem nenhum compromisso, nem sequer o da amizade. A relação alimenta-se assim da atração mútua entre os dois.
Miles nunca fala de si nem do seu passado, e comporta-se perante Tate de acordo com as regras que ele definiu. Será Miles capaz de desvendar o que se esconde por detrás desta necessidade tão grande de se distanciar emocionalmente dos outros?
E poderá algo tão cruel transformar-se numa relação bonita e duradoura?

4 comentários:

  1. Eu estou como tu, a adiar a leitura das últimas páginas deste livro porque estou a gostar muito muito dele!
    Também notei que para as poucas páginas que tem é um livro com muitas cenas de sexo, contudo apercebi-me que por várias vezes a autora passou a deixar essas cenas subentendidas no fim do capítulo não correndo o risco de estar sempre a narrar o mesmo e de ser um livro demasiado sexual, por isso aí achei que ela esteve muito bem. Se por um lado acaba por ter cenas a mais para as suas páginas, por outro deixou muitas dessas cenas implícitas.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Não sei porquê mas não tenho grande interesse nesse livro. Já na adaptação é outra história (já viste o tor que fará de protagonista? é impossível não gostar hihihi) :)
    Beijinho
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Tenho um ou dois livros da autora por cá mas ainda não tive oportunidade de os ler, mas este sem dúvida deixou-me com água na boca!

    Beijinhos :)

    http://pepitamagica.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Também adorei o livro!
    A autora deixa-nos sempre a sofrer um bocadinho, para depois passar!
    Espero ler mais livros dela, em português!
    ;)

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!