1 de setembro de 2013

Opinião Contemporânea: "Adeus, por enquanto" de Laurie Frankel



Com uma sinopse que conta praticamente todo o enredo do livro, a leitura de "Adeus, por enquanto" desdobrou-se em vários sentimentos ambíguos que vou fazer o meu melhor para tentar explicar. Mais que uma história fictícia, este livro fala sobre um dos maiores medos da raça humana e a maior certeza que nós todos temos: a morte. É inevitável, todos um dia iremos morrer, com diferentes idades e por várias causas. Há quem acredite na vida para além da morte, há quem aceite a mortalidade vivendo ao máximo. Eu pessoalmente acredito na segunda opção mas gostava mesmo de ser imortal, nem que fosse para ler todos os livros que não vou conseguir ler na vida que tenho pela frente.

Numa tentativa de provar o seu amor e conquistar o coração de Meredith, a mais recente namorada, Sam um informático arrogante, crente nas suas capacidades científicas cria um programa onde o adeus não é para sempre, é um adeus por alguns meses, um adeus por alguns dias, um adeus por enquanto. Tendo tanto sucesso com Meredith que depressa reencontra a felicidade, usando o programa RePose e estabelecendo uma nova ligação com a avó falecida, juntamento com Dash, primo de Meredith, os três acreditam que este projecto não é só uma forma de ajudar outras pessoas a ultrapassar um luto de dias, meses ou até mesmo anos como os irá trazer a felicidade económica que há tanto tempo procuram.

Esta dualidade de ajudar o próximo mas ao mesmo tempo lucrar com isso foi algo que me afligiu imenso, principalmente num assunto tão sério e delicado. Não sei se foi intenção da autora mas por vezes tive a sensação que o programa criado era apenas uma fonte de rendimento para o trio criador e que não ajudava ninguém a ultrapassar a dor de perder um ente querido, tal era arrogância e insensibilidade patente em alguns casos. Talvez possa ser apenas uma impressão minha, talvez tenha sido mesmo o objectivo da autora em mostrar que ninguém dá nada a ninguém sem receber nada em troca. Não duvido que, face aos avanços tecnológicos de hoje em dia, com o boom de redes sociais de hoje, daqui a muitos anos (ou nem tantos assim) aconteça algo semelhante, que se crie um programa onde possamos ter novamente a presença de um familiar, de um amigo, de um amor de uma vida inteira... mas valerá mesmo a pena, gastar dinheiro para termos apenas uma visão virtual de uma pessoa que amamos? Esta e outras questões ocuparam a minha mente enquanto lia o livro, por muito boa que seja a intenção das pessoas em ajudar o próximo, nunca será voluntário por parte destas e por mais que nos auxilie na saudade dessa pessoa, não muda o facto de a pessoa estar morta. Sinceramente na minha opinião, o programa  apenas dificulta ainda mais o processo de luto que é inerente à morte não deixando a pessoa desligar-se e seguir com a vida, pois acredito que a ligação emocional com a pessoa falecida estará sempre lá nunca irá desaparecer. 

O rol de casos que desfilam pelo livro é impressionante, mas mais perturbante é o facto de haver pessoas que apenas querem dizer um simples adeus e outras que depressa se viciavam e não conseguem desligar-se da ausência que sentem. Apesar de algumas situações pontuárias, umas até cómicas, a maioria dos casos não me prendeu nem emocionou. Compreendia porque as pessoas ligavam-se a esta ciência revolucionária mas simultaneamente não entendia como não percebiam que o programa impedia-as de avançar na vida. Foi este sentimento contraditório que me acompanhou durante toda a leitura, sei que é um conceito revolucionário que se fosse realmente verdade, traria muitos benefícios a quem tem dificuldade em lidar com a perda mas traria igualmente muitas desvantagens por exemplo a outros negócios como por exemplo das agências funerárias, já para não falar que obrigaria todas as pessoas a terem contacto electrónico enquanto fossem vivas, o que não é possível para toda a gente e até nem faz muito sentido se forem casos de por exemplo, doença prolongada. Prefiro de longe estar com a pessoa ao vivo e aproveitar cada momento com esta do que comunicar apenas por e-mails e vídeos para no fim, após a sua morte poder contactá-la virtualmente. A conclusão a que chego, é que este programa seria uma ajuda em casos de morte repentina onde não houve tempo de despedida. 

Tirando algumas repetições do livro que refere constantemente o conceito do programa,da escrita da autora que não acho que seja muito envolvente,  e do fim que me pareceu um pouco em aberto,"Adeus, por enquanto" é uma leitura que deve ser feita de mente aberta e sem ideias pré-concebidas. Faz-nos pensar na nossa vida, nos nossos valores e no avanço tecnológico fruto da humanidade que não garante um caminho certo à felicidade eterna. 


Sam Elling é um programador informático que trabalha para uma agência de encontros. Um dia, só pelo desafio, cria um algoritmo que permite a cada pessoa encontrar a sua alma gémea. É uma descoberta maravilhosa, pois graças a ela conhece o amor da sua vida, Meredith, e ao mesmo tempo terrível, uma vez que leva Sam a perder o emprego - afinal, uma agência de encontros não funciona se toda a gente conhecer logo a pessoa certa. Quando Livvie, a avó de Meredith, morre subitamente, Sam - que tem os dias desocupados e não suporta ver Meredith a sofrer com esta perda - volta a criar um algoritmo; desta vez, um que permite gerar uma simulação online da própria Livvie (com base nos seus e-mails, sms e perfil de Facebook). Parece bruxaria, mas é só informática. Meredith adora conversar com esta sua avó virtual, e conclui que ela e Sam têm o dever de partilhar esta fabulosa invenção com o mundo inteiro. Assim, criam a empresa RePousa, que permite a praticamente qualquer um comunicar com uma versão virtual dos seus entes queridos já falecidos. Contudo, estes reencontros virtuais levantam problemas bem reais, porque, por cada pessoa que só quer uma última despedida, há outra que simplesmente não consegue dizer adeus… Uma história encantadora e uma reflexão inesquecível sobre a natureza da vida, da morte e da perda, que nos ensina que nada dura para sempre - mas que há amores que ganham uma vida própria.


Goodbye for NowTítulo Original: Goodbye for now
Edição:
Setembro 2013
ISBN: 9789722526487





Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!