19 de agosto de 2013

Opinião Contemporânea: "O Meu encontro com a vida" de Cecelia Ahern



Não me acho a maior fã da Cecelia Ahern, acho os seus livros verdadeiramente originais mas nem os acho maravilhosos, adorei uns e detestei outros, é uma autora de altos e baixos. A prova disso é o "Meu encontro com a vida" que a par com "Um lugar chamado aqui" foi uma das piores coisinhas que li por parte desta autora irlandesa.

O Meu Encontro Com a VidaEu já devia saber como os livros desta autora funcionam mas já há algum tempo que não lia nada dela e esqueci-me que a autora põe sempre algo de auto-ajuda nos seus romances. Apesar de não ser algo que me agrade, a coisa correu bastante bem por exemplo em "P.S Eu amo-te" onde as cartas de Gary ajudam Holly a ultrapassar a morte do marido ou em "Se me pudesses ver agora" onde Elizabeth segue os sábios conselhos de Ivan, um amigo imaginário, mas nunca pensei que a minha paciência esgotasse com o toque de auto-ajuda que a autora incorporou em "O meu encontro com a vida"

Basicamente Lucy é um mulher chata que deixou de viver intensamente, deixou de acreditar em si própria, deixou a sua vida desmoronar-se nada fez para ultrapassar este estado vegetativo.
O enredo do livro é original mas digamos que num livro contemporâneo, que é o género dado aqui, toda a história de a "vida" ser um entidade própria, uma pessoa é ridícula! Eu não gostava que a minha vida fosse...uma pessoa. *LOL* Pior mesmo é que a vida de Lucy é...um homem! Sim não faz sentido, eu sei.. não podia ser mulher já que a pessoa em questão é do sexo feminino? Adiante, Lucy começa a receber cartas da sua vida que se chama Vida *LOL* e que pronto não está muito satisfeito como esta está a dar um rumo à vida..seja a que vida ele esteja a referir-se.

Há uns anos acompanhei uma série de tv chamada Being Erica, com um enredo bastante semelhante e apesar de ter adorado a série, não suportei este livro e acho que tudo deveu-se a uma única razão: a protagonista. Detestei a Lucy, com todas as minhas forças. A personagem era mesma tontinha e tinha um sentido de humor, para mim que não gostei particularmente. Por exemplo, chega uma certa parte que ela fala do ex-namorado, ou seja apresenta uma personagem nova, que o leitor não conhece. Descreve a relação perfeita que tinham em VÁRIOS PARÁGRAFOS para depois dizer: "Ok, eu menti ele é que acabou comigo e a nossa relação não foi nada assim." WTF?! Ok, digo eu.. porquê este infodump que não interessa nada à história e além de mais é tudo mentira. Isto só fez aumentar o meu ódio pela Lucy. Pior é que ela não faz isto nem uma, nem duas, nem três mas sim uma dúzia de vezes, apresentando várias personagens ao enredo e a relação que tinha com as mesmas, para depois afirmar: "Ahaha, menti-vos outra vez". --' A sério, nem imaginam quanto irritante foi esta parte!!

Depois claro temos Vida (o homenzinho) que está sempre atrás dela, a dar-lhe conselhos mas como ela é acha-se a dona da razão na maioria das vezes nem o ouve e só mais para o fim é que redime de todos os erros. Nem vou falar do romance mais previsível de toda a humanidade literária. 

Pronto não gostei nada deste livro mas não vou deixar de ler livros desta autora, só quero esquecer que ele existe, só isso. 



Nos últimos anos, a vida de Lucy Silchester não tem corrido como ela idealizara. No entanto, isso não parece incomodá-la, uma vez que para cada coisa desagradável que lhe acontece, há sempre uma maneira de a contornar contando uma mentira. Um dia, quando chega a casa, Lucy encontra um envelope com um convite para se encontrar com a vida, que aparentemente ela anda a negligenciar. A partir desse momento, as suas mentiras irão ser desmascaradas – a menos que Lucy aprenda a dizer a verdade sobre o que é realmente importante para si.


The Time of My LifeTítulo Original: The time of my life
Edição: Julho 2012
ISBN: 9789722348492








Até o cupcake é demasiado fofo para pontuar este livro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!