, , , , ,

Opinião Contemporânea: "Paixão Proibida" de Penelope Douglas

junho 11, 2019 Inês Santos 0 Comments



Paixão Proibida foi a minha única leitura do mês anterior, Maio, e ainda por cima não foi daquelas leituras memoráveis. Não ando em boa onda de leituras, nem de vontade destas, mas a maior culpa foi ter lido só metade da sinopse. Desta forma quando cheguei ao segundo capítulo percebi logo a história toda e depois continuei, não pela história em si e sim porque queria conhecer a escritora.
É um livro de leitura muito fácil, mas como se adivinha logo tudo ao inicio não tem grandes surpresas. 
Mesmo assim acabei por lhe dar 4 estrelas em 5, mais pelo final, que, também óbvio, foi fofo e serviu todo o processo.
Também gostei da história em si, mesmo com clichés, por ser tão actual e mostrar o julgamento e desconfiança social. Claro que hoje em dia nem todos são assim tão perfeitos assim, mas acaba por retratar algo que cada vez é mais fácil de ver e aceitar. E ainda bem.
A minha personagem preferida foi a de Pike. No meio de tudo, sendo o mais adulto, é o que se nota ter mais senso e consciência da atitude correcta a tomar. Jordan também é correcta, mas acaba por ter muitas atitudes infantis, mesmo que justificadas (ou não) pela sua idade. Ou não, pois a autora quis passar a imagem de jovem madura, que por causa da sua vida (mais pela família e namorado) teve que crescer rápido e começar a trabalhar e a governar-se cedo. Mas acaba por ter muitas inseguranças e no fundo, recapitulando, acabou por andar sempre "à boleia", não tendo pulso para o namorado.
Gostei da irmã, apesar da má influência, e da patroa, que foi a boa influência. Aqui fez-me lembrar o filme do Coyote Bar (2000).
Detestei o namorado, pelas razões óbvias. Gostei ainda menos quando a autora ainda o tentou tornar vítima, depois de tudo o que ele fez! Foi para dar um pouco mais de drama, mas a mim não me convenceu.
As cenas da piscina e outras em que Penelope Douglas a descreveu quase como uma barbie autêntica também foram um pouco contra o que gosto numa protagonista feminina. Demasiado perfeita fisicamente, demasiado excitada, quando temos Pike, que apesar de também passar essa imagem de perfeição física, acaba por ser mais humilde e simples, prevalecendo sempre o interior.
Por fim, queria falar da capa. Na original temos esta imagem apenas visível por detrás do titulo, mas gosto muito mais desta por estar muito mais exposta e ter tudo a ver com cenas na história.

Ele acolheu-me quando eu estava desamparada.
Preocupa-se comigo. Pensa em mim. Ouve o que tenho para dizer. Protege-me. Sinto o seu olhar quando estamos à mesa, e o meu coração dispara quando o ouço chegar ao final do dia.
Tenho de pôr um fim a isto. Simplesmente não pode acontecer.
Em tempos, a minha irmã disse-me que não há homens decentes - e os poucos que existem estão comprometidos. Mas não é Pike Lawson que está comprometido… sou EU.
Pike:
Jordan veio viver cá para casa e, no início, tudo correu muito bem.
À medida que o tempo passa, porém, a situação complica-se. Tenho de parar de pensar nela. Não lhe posso tocar… nem devia querer fazê-lo. Mas quanto mais tempo passo com ela, mais ela se entranha em mim.
Não podemos ceder a esta tentação. Ela tem dezanove anos e eu trinta e oito. E sou PAI do namorado dela…

0 comentários:

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!