, , , ,

Compilações: 'Alex, Approximately'' e '' The Sky is everywhere''

julho 04, 2018 Mafi 0 Comments


Mais dois livrinhos unidos aqui no compilações. Um que já queria ler há imenso tempo (quase 7 anos), outro que só descobri o ano passado. Uma autora estreante e outra repetente. Um livro leve e outro mais pesado. 


34927042''Alex, Approximately'' foi o primeiro livro que li da autora Jenn Bennett. Não está publicado cá mas descobri que já saiu no Brasil. Foi uma boa estreia. É o típico romance young adult de verão, que deixa o coração aconchegado mas que se calhar daqui a uns meses ou mesmo um ano, já não nos vamos lembrar de grande coisa do livro. 
Para quem gosta de cinema vai adorar todas as referências a filmes mais antigos. 
O livro foca-e em Bailey que vai passar uma temporada com o pai numa cidade costeira que só por coincidência é a mesma cidade onde vive Alex, o seu grande amigo online que ela não conhece. Arranja um emprego de verão num museu e lá conhece Grace que torna-se sua amiga e Porter, um rapaz que ela não suporta. Ao mesmo tempo que tenta descobrir a localização de Alex na esperança de o encontrar, começa a também descobrir que Porter afinal até é um rapaz mais interessante do que ela pensava. Eu gostei do livro mas o facto de ele ser 90% previsível (aliás a sinopse spoila o livro) se calhar estragou um pouco a leitura do livro mas como pelo meio tem algumas mensagens importantes e as personagens até lidam com os seus problemas e traumas e há um certo desenvolvimento, o facto de ser previsível até é algo desculpável. Tenho pelo menos mais um ebook desta autora que lerei quando quiser algo mais descontraído. 
Classic movie fan Bailey “Mink” Rydell has spent months crushing on a witty film geek she only knows online as Alex. Two coasts separate the teens until Bailey moves in with her dad, who lives in the same California surfing town as her online crush.
Faced with doubts (what if he’s a creep in real life—or worse?), Bailey doesn’t tell Alex she’s moved to his hometown. Or that she’s landed a job at the local tourist-trap museum. Or that she’s being heckled daily by the irritatingly hot museum security guard, Porter Roth—a.k.a. her new archnemesis. But life is a whole lot messier than the movies, especially when Bailey discovers that tricky fine line between hate, love, and whatever it is she’s starting to feel for Porter.
And as the summer months go by, Bailey must choose whether to cling to a dreamy online fantasy in Alex or take a risk on an imperfect reality with Porter. The choice is both simpler and more complicated than she realizes, because Porter Roth is hiding a secret of his own: Porter is Alex…Approximately. 


Há dois anos li ''Eu dou-te o Sol'' da autora Jandy Nelson, publicado pela Presença. Foi um livro que gostei muito embora fosse um livro um pouco pesado, muito diferente do livro que falei acima. Já nessa altura conhecia o primeiro livro que a autora tinha lançado o ''The Sky is everywhere'' mas como o seu segundo romance teve mais sucesso, a Presença nunca chegou a editar cá o primeiro. Portanto passado quase 7 anos li finalmente o livro ''The Sky is everyhere''
23168945Este livro é um livro que lida com o luto. Não há grande história e o livro centra-se mais nos sentimentos das personagens e na superação do luto e portanto embora seja um livro mais pesado foi um livro que gostei. Temos Lennie que está a passar uma fase difícil. Foi abandonada pela mãe, nunca sabendo o paradeiro desta e agora a irmã também morreu, deixando Lennie num vazio sem fim. Embora tenha a ajudar da avó e do seu tio, Lennie não consegue ultrapassar esta morte recente. Tudo piora quando começa a falar com Toby, o namorado da irmã e começa a ter sentimentos por ele. Ao mesmo tempo conhece Joe, o novo integrante da banda da escola, que deixa Lennie muito confusa por ele parecer gostar dela. 
Gostei muito mais da relação da Lennie com o Joe. Primeiro porque entre eles não havia qualquer passado e começou por uma simples amizade. A relação da Lennie com  Toby não era correcta mas também não era incorrecta porque estavam os dois a sofrer e meio que viam um no outro um apoio. 
Para além do triângulo amoroso tenho de destacar a avó, adorei a personagem e os conselhos que ela dava e adorei a parte em que a Lennie apercebe-se que não é ela a única sofrer com a morte da irmã e que a avó para além de ter perdido uma filha que a deixou com as netas, também tinha perdido uma neta. Por vezes temos de parar e pensar que os outros que nos rodeiam também estão a passar pelo mesmo e se calhar também precisam de ajuda e apoio. 
De resto, o livro não tem muito mais história para contar. É daqueles livros que foca-se muito mais no desenvolvimento das personagens do que numa história e embora eu goste de livros assim, achei este livro semelhante ao outro da autora e gostava de ler algo mais leve e diferente dela. Infelizmente não saiu mais nenhum livro desde 2015 pelo que me resta esperar por um novo lançamento. 


Adrift after her sister Bailey's sudden death, Lennie finds herself torn between quiet, seductive Toby—Bailey's boyfriend who shares her grief—and Joe, the new boy in town who bursts with life and musical genius. Each offers Lennie something she desperately needs... though she knows if the two of them collide her whole world will explode.
Join Lennie on this heartbreaking and hilarious journey of profound sorrow and mad love, as she makes colossal mistakes and colossal discoveries, as she traipses through band rooms and forest bedrooms and ultimately right into your heart.
As much a celebration of love as a poignant portrait of loss, Lennie's struggle to sort her own melody out of the noise around her is always honest, often uproarious, and absolutely unforgettable.

 

0 comentários:

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!