Opinião da Mafi,

Opinião Suspense: "A Rapariga no Comboio" de Paula Hawkins

maio 20, 2015 Mafi 6 Comments



Quem acompanha aqui o blog sabe perfeitamente que os policiais/thrillers são a vertente menos explorada aqui no estaminé. Tanto eu como a Ne raramente lemos policiais e aqueles que lemos costumam ter um romance para balançar a parte mais policial.

Já tinha ouvido falar um pouco de "A Rapariga no Comboio", que estava a ser um grande sucesso lá fora, já tinha os direitos vendidos para o cinema mesmo antes de o livro sair, que  era o novo "Gone Girl" que era isto e aquilo.

25459160Na maioria das vezes, os blurbs e as comparações não me dizem nada, eu não vou por modas quando leio e nem pretendia ler este policial. O facto de ter recebido uma cópia avançada da edição em português, influenciou a minha leitura, não que sentisse obrigação em ler o exemplar, visto que ainda por cima não tinha sido solicitado mas andava com desejos de arriscar mais em leituras que não são o meu estilo. Em sair da minha zona de conforto, e este livro pareceu-me o ideal para começar a ler coisas menos seguras.

Não sabia bem o que esperar deste thriller mas sabia que ia encontrar personagens bem peculiares. As primeiras 75 páginas do livro aborreceram-me e estava pronta para desistir, porque a protagonista - Rachel - estava a dar-me cabo dos nervos. Fiquei surpreendida ao perceber que havia três linhas narrativas das três personagens femininas - estava pronta para que o livro fosse todo do ponto de vista da Rache - mas gostei desta opção da autora. Gosto sempre de ter uma visão múltipla do que está a acontecer, dá-nos a sensação que conhecemos muito melhor as personagens do que só termos um ponto de vista. 
A narrativa em trio também ajudou a complicar e a desvendar todo o mistério apresentado no livro. Ao princípio temos o cérebro com nós, de tanta coisa que não faz sentido mas quando mais lemos, mais pecinhas se vão juntando, mais o puzzle vai ficando completo. 

Admito que grande parte das vezes era difícil sentir alguma empatia pela Rachel, visto ser uma mentirosa compulsiva mas do meio para o fim, só conseguia sentir compaixão por ela e pela sua fragilidade.

O livro tem uma forte carga psicológica, algo que pensei que me incomodasse mas aguentei bem. Comecei a ficar cada vez mais agarrada ao livro até que tive de parar tudo o que estava a fazer e lê-lo de uma assentada. O clímax acontece só no fim e confesso que o culpado não foi grande surpresa para mim. Desvendar o suspeito a dezenas de páginas do fim não me desmotivou para saber como iria terminar a leitura, muito pelo contrário, a leitura tornou-se compulsiva até ao fim.

Em suma, sem grandes referências dentro do género e com um toque de perturbador que pode provocar arrepios aos mais sensíveis, "A rapariga no comboio" não foi só uma surpresa mas abriu apetite para ler mais thrillers e sem dúvida que elevou a fasquía para as próximas leituras deste género. 

O êxito de vendas mais rápido de sempre. O livro que vai mudar para sempre o modo como vemos a vida dos outros.
Todos os dias, Rachel apanha o comboio...
No caminho para o trabalho, ela observa sempre as mesmas casas durante a sua viagem. Numa das casas ela observa sempre o mesmo casal, ao qual ela atribui nomes e vidas imaginárias. Aos olhos de Rachel, o casal tem uma vida perfeita, quase igual à que ela perdeu recentemente.
Até que um dia...
Rachel assiste a algo errado com o casal... É uma imagem rápida, mas suficiente para a deixar perturbada. Não querendo guardar segredo do que viu, Rachel fala com a polícia. A partir daqui, ela torna-se parte integrante de uma sucessão vertiginosa de acontecimentos, afetando as vidas de todos os envolvidos.

6 comentários:

  1. Olá :)

    Já não passava por aqui há algum tempo! Tenho a sensação que o aspecto geral do blog era diferente. Gosto muito deste novo layout :).
    Também eu não explorei muito a vertente thriller/policiais. Só há pouco tempo é que comecei a enveredar por esses caminhos que até não desgosto nada :). Gostei muito de ler a tua opinião e fiquei sinceramente curiosa!

    Beijinhos,
    Rosana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rosana :)

      Sim está diferente! mudámos no início deste ano :) Obrigada!
      Eu adorei o livro, foi uma óptima surpresa, de policiais só tinha lido (e gostado mesmo) os da Agatha Christie mas de Thriller nunca tinha lido nada assim.

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Ola!! Parabéns pelo Blog!!
    Estou ansiosa por ler este livro :)

    ResponderEliminar
  3. Eu sou fã de thrillers e de crime, mas acho que 'A Rapariga no Comboio' falha redondamente. Estava com grandes expectativas em relação ao livro, mas rapidamente foram por água abaixo. Achei Rachel, bem como a generalidade das personagens, insuportável. A única de quem gostei foi mesmo Cathy. Era-me impossível sentir alguma ligação a Rachel. Parecia que estava sempre a pedir sarilhos.

    Aquando da revelação do assassino, por momentos, ainda achei que o livro se iria redimir, mas voltei a ficar desiludida num instante pela forma como tudo foi conduzido.

    Sei que a maioria das pessoas adorou este livro, mas eu não sou capaz de me enquadrar nesse grupo. A história tinha potencial, mas não acho que Paula Hawkins tenha sido capaz de a tornar verdadeiramente interessante. Pelo menos para mim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ellie

      Eu acho que por não ler muitos thrillers e policiais quando leio um, ãcabo sempre por gostar por não ser um género que leia regularmente e ser muito diferente do género habitual que leio que é o Young Adult.

      É como os eróticos, parei de lê-los durante uns tempos porque já não me diziam nada de novo e agora ando só a ler os da Rapariga do Calendário e tenho gostado.

      Estás curiosa com o filme ou em isso? :)

      Eliminar
  4. Será a minha próxima leitura, para a seguir ir ao cinema!
    ;)

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!