13 de abril de 2017

Compilação: "Slammed" de Colleen Hoover



A série Slammed, composta por Métrica (Slammed), Pausa (Point of Retreat) e Essa Garota (This Girl), foi a primeira trilogia da autora que li. Aliás, é a única que ela tem, já que prefere duologias e livros "solteiros".
Slammed, tal como métrica, vêm de poesia, que é um tema muito predominante nos três livros. Ao longo da história vamos ter poemas, sem uma única rima, pelo menos na minha versão brasileira. Pessoalmente não sou fã e quando leio é quase um mini-texto distribuído de forma central e que repete algumas estrofes. Mas de qualquer forma adorei o conteúdo de cada um deles, excepto, curiosamente, o único que Layken apresenta, que mais me pareceu uma cópia de alguns excertos dos poemas que já haviam sido apresentados. O meu preferido foi o primeiro de Will, intitulado de Morte.
Layken, a nossa personagem principal, vai-nos contar na primeira pessoa metade da sua história de amor. Vai ser um amor atribulado, com muitos obstáculos e tempos de espera, que até nós vamos ter dúvidas quanto a ele. Lake, vai ter que lidar com escolhas, dela e de terceiros, e enfrentar muita coisa. Colleen Hoover, nestes seus primeiros romances, não foi forreta em relação a desgraças, por isso bem podem preparar esses lencinhos. Um dos temas vai ser o cancro, mas curiosamente a escritora conseguiu apresentá-lo da maneira mais positiva possível, a minha maneira. E este foi um dos meus pontos preferidos. Não se foi por ser o primeiro livro, mas notei alguma falta de maturidade na sua escrita, principalmente nestes momentos em família. Digo isto porque apesar de tal como disse, ela ter exposto tudo de forma o menos deprimida possível, houve partes que senti que alguma coisa estava errada naquela cena. Ok, os personagens podem rir quando teoricamente deviam estar a chorar, mas pareceu-me que faltou ali alguma coisa, talvez nos diálogos.
A história começa de uma forma muito típica, tipo a-rapariga-da-porta-ao-lado, mas rapidamente todo o romance desmorona e a realidade, que aqui é a 100% (quase poderia ser a vida de alguém), torna este YA num romance muito contemporâneo, onde jovens são obrigados pelas circunstâncias da vida a crescer para adultos de um dia para o outro. Por bem, existem os amigos verdadeiros, tal como vizinhas estranhas e alguns, mas raros, membros de família. Pelo meio há então a poesia, no primeiro livro a maior parte nada romântica aviso já, que lida da forma mais teatral possível dá um toque diferente a toda a história.
Temos Eddie e Gavin, que simbolizam a amizade verdadeira. Eles vão estar presentes em toda a história, dando o seu contributo tanto para o romance principal tanto como o seu próprio romance.
"- O que aconteceu? - pergunta Kel. - Nada - digo. - Podem voltar para a aula. Ela só queria saber onde comprámos o tecido do vosso costume porque para o ano quer se vestir de hemorróidas."
Ainda temos Kel e Caulder, os irmãos de Lake e Will, respectivamente, que estão incumbidos da parte humorística dos livros. Oh e como eles conseguem tão bem! Este pequenos vão ser protagonistas de algumas cenas muito engraçadas, mas no segundo livro vão ter um importante papel nas cenas mais tristes. Para mim Pausa, o segundo volume, foi um dos livros mais tristes que li este ano. A inexperiência que notei no primeiro não se encontra presente aqui e por isso talvez tenha sentido maior ligação com as cenas. Foi sem dúvida o melhor dos três, se não o melhor de todos os livros que li de Colleen Hoover (excepto o Talvez um dia, o meu primeiro amor).
Tal como Métrica está para o inicio, o fim, e o reinicio, por esta ordem, Pausa vai ser o durante do romance e Lake e Will.
Adorei o facto da escritora ter mantido algumas expressões que o casal usa: "Não é uma boa ideia" ou a maneira como eles se despedem, ou o primeiro encontro, etc. Muitos pontos em comum que dão uma certa continuidade à história e só contribuem para mostrar como eles estavam destinados um para o outro mesmo desde o inicio. No Pausa, Will ainda faz uma espécie de resumo.
Outro ponto que adorei foi o "melhor e o pior". Existem outros "jogos" mas este foi um que não conhecia e que adorava aplicar na minha vida, principalmente quando tiver filhos. Pode ser que nessa altura releia estes livros e me relembre.
(...)
Ela olhou para mim, sorriu e disse...
"Estás pronto?"
E eu estava.
Eu finalmente estava.
Eu nunca tinha estado mais pronto na minha vida.
Sim...
Esta garota.
A minha mãe teria amado esta garota.
Pena que foi só um sonho.
Também no segundo volume, existem outras temáticas como o bulling e a adopção e até a gravidez na adolescência. Portanto como vêem, conteúdo não falta, o que eu achei óptimo!
Por último, no terceiro volume é todo um volta atrás. Tal como no Pausa, aqui o POV vai ser de Will. Pessoalmente prefiro o de Lake, porque não me consigo colocar na pele de Will tão bem como na dela. Além disso, os mal entendidos que acontecem acabam por ser logo explicados porque acontecem com Will e assim não temos aquele suspense do que terá acontecido, se foi mesmo assim ou se tem uma explicação. A questão aqui é que a explicação vem antes do acontecimento.
- Meu pior é que ainda não consegui pensar no que quero para o Halloween - diz Kel. - Meu melhor é que Will concordou em levar-nos para o geocaching novamente neste fim-de-semana.
- Vou levar-vos para o geocaching? - Esta é a primeira vez que ouvi falar sobre isso.
- Tu vais? - Kel diz sarcasticamente. - Ahhh, caramba, Will. Isso parece divertido! Adoraria ir ao geocaching este fim-de-semana.
Achei que foi dos três o mais fraco, apesar de ter adicionado certas partes da história que de facto tinham que ser preenchidas. Não sou apologista destes volumes com histórias iguais e POV diferentes. Mesmo havendo alguns extras, não acho que sejam importantes para a história que já conhecemos, principalmente há dois livros atrás. O mesmo aconteceu com Rush de Abbi Glines (lá estou eu a puxar esta para a conversa, que chata!).
A descrição da memória da morte dos pais de Will e Caulder foi a excepção à regra, já que me tocou verdadeiramente no coração, porque mais uma vez é algo que pode acontecer a qualquer um.
De qualquer forma, nem tudo é triste. Tal como já referi há imensas coisas engraçadas e há muito romance e momentos fofos. Will é sem dúvida um personagem romântico e altruísta que ama verdadeiramente Lake, apesar de ter tentado por várias vias não o fazer. Os momentos a dois são sempre intensos, excepto no terceiro livro que acabam por ser mais lamechas mas não menos viciantes.
Um final perfeito para uma trilogia muito boa!

Após a perda inesperada do pai, Layken, de 18 anos, é obrigada a ser o suporte tanto da mãe quanto do irmão mais novo. Por fora, ela parece resiliente e tenaz; por dentro, entretanto, está perdendo as esperanças. Um rapaz transforma tudo isso: o vizinho de 21 anos, que se identifica com a realidade de Layken e parece entendê-la como ninguém. A atração entre os dois é inevitável, mas talvez o destino não esteja pronto para aceitar esse amor.
Destinados um ao outro, Layken e Will superaram os obstáculos que ameaçavam seu amor. Mas estão prestes a aprender, no entanto, que aquilo que os uniu pode se transformar, justamente, na razão de sua separação. O amor pode não ser o bastante.
Depois de testado por tragédias, proibições e desencontros, o relacionamento de Layken e Will enfrenta novos desafios. Talvez a poesia desse casal acabe num verão solitário... Sem direito a rimas ou ritmo. A ex-namorada de Will retorna arrependida de ter deixado o rapaz. E está disposta a tudo para reconquistá-lo. Insegura, Layken começa a ler novas reações no comportamento do rapaz. E na insistência para adiar a "primeira vez" de ambos.
Presos em uma ironia cruel do destino, eles precisam descobrir se o que sentem é verdadeiro ou fruto da extraordinária situação que os uniu. Será que é amor? Ou apenas compaixão? Layken passa a questionar a base de seu relacionamento com Will. E ele precisa provar seu amor para uma garota que parece não conseguir parar de "esculpir abóboras". Mas quando tudo parece resolvido, o casal se depara com um desafio ainda maior - e que talvez mude não só suas vidas, mas também as vidas de todos que dependem deles.
Lake e Will estão em plena lua de mel, encantados com o futuro que têm pela frente. Lake quer saber tudo que há para saber sobre o marido - mesmo quando este se torna reticente quanto a despertar memórias dolorosas. Pouco a pouco, Lake convence Will a desembaraçar os nós da própria história e, pela primeira vez, seus mais íntimos sentimentos e pensamentos ganham voz. Sob a óptica de Will, revisitamos os bons e maus momentos. E conhecemos alguns fatos chocantes. O futuro de Will e Lake agora depende de como os dois lidarão com essas revelações.

1 comentário:

  1. Olá,
    Também tenho opiniões semelhantes. Adorei o primeiro e o segundo. Já o terceiro fiz uma pausa, não sei se foi por tentar ler os 3 de seguida e também porque no fim do o ler é como se dissesse adeus às personagens. Foram os primeiros romances que li adorei, foram os culpados por me envolver cada vez mais na leitura.
    Está é uma das minhas autoras preferidas!
    Boa Páscoa!
    :)

    ResponderEliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!