4 de junho de 2016

Opinião Young Adult: "Coisas que nos diz o coração" de Jessi Kirby



Vocês já sabem que eu gosto imenso de YA contemporâneos e quando vi este lançamento da Presença, não resisti na sua compra. 

Fiquei muito surpreendida por ver este livro publicado cá mas agora só espero que a Presença não deixe esta autora com apenas uma obra única cá em Portugal. O livro não foi perfeito mas talvez também influenciada pelo meu estado de espírito, adorei este livrinho de Jessi Kirby. Doce como chocolate branco com um toque amargo de chocolate negro para nos relembrar que a vida não é perfeita.  

O plot até é bastante simples e sejamos  sinceras, percebemos logo que a protagonista e o rapaz que ela procura vão logo desenvolver uma relação, portanto nesse aspecto não há muita imprevisibilidade na trama. Também o facto de o tal interesse amoroso ser um surfista todo jeitoso também não me agradou muito, mas pronto ainda falta algum realismo aos protagonistas dos romances contemporâneos. Ao menos a autora não retratou a protagonista feminina - a Quinn - como um patinho feio, ao menos isso.

Apesar de ter adorado a forma como  relação da Quinn e do Colton se desenvolveu, a autora não explorou muito o romance de ambos, principalmente após o clímax aka quando todo o segredo dela para com ele é descoberto. O fim foi abrupto e mal desenvolvido, deixando mesmo a sensação que a autora não sabia o que fazer após ter sido feita a tal revelação. Fiquei chateada porque o livro estava mesmo a ser fofinho e puff, acaba de repente. Ao menos no fim sabemos que a Quinn não foi a única a esconder os seus motivos e assim ficam os dois em pé de igualdade um com o outro.

O núcleo familiar da Quinn é pouco desenvolvido e tirando a irmã, gostava de ter lido muito mais sobre a avó dela e até o pai, que acaba por ter um ponto fulcral no livro. As personagens secundárias mereciam mais foco, até da parte do Colton. 

Gostei da importância dada ao desporto como o surf, caiaque, corridas e claro não podia deixar de mencionar o tema da doação de orgãos. Acho de louvar quem, depois de partir, ainda consegue ajudar outras vidas.

O que faltou na trama de Kirby foram mesmo mais umas páginas. Às vezes há tanto livro com palha e por vezes outros tão pequenos que gostávamos que fossem mais desenvolvidos. Se a autora tivesse desenvolvido melhor a relação da Quinn e do Colton e não tivesse posto 3 acontecimentos importantes todos juntos nas últimas 40 páginas, tinha gostado muito mais do livro. Contudo acho que foi uma óptima estreia e por alguma razão este livro é o mais conhecido da autora e  talvez o único com mais traduções para outros países. Não é um romance perfeito mas é dentro do género, gostei muito, Claro que os outros 2 livros da autora já estão na wishlist da Amazon (não é preciso dizer que os 2 juntos em hardcover mais os portes ficam-me ao mesmo preço que este em português).

Agora com o verão a aproximar-se este docinho é uma óptima escolha para leitura de praia.

Quando o namorado morre num acidente, Quinn sofre uma perda terrível. O luto impede-a de viver como qualquer outra adolescente. Tentando encontrar sentido para a dor, Quinn escreve a quem foram transplantados os órgãos do namorado. Apenas Colton Thomas, que recebeu o coração, não responde. Quinn procura-o. Desse encontro nasce uma relação intensa e inesperada que dá alento aos dois, antes tolhidos pela dor. Mas uma mentira ameaça o coração desse relacionamento - Quinn sabe que tem de contar a verdade. 



Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!