16 de setembro de 2015

Opinião Contemporânea: "Casado até Segunda" de Catherine Bybee





Casado até Segunda é um romance muito fácil de ler separado do anterior. Este último já saiu há algum tempo em português e apesar de ser fininho não me apeteceu muito ir relê-lo. Além disso confiei na opinião da Vera que me confirmou isso mesmo - toca a ler o segundo sem preocupações com a história do primeiro. 
Neste há referências, e convém claro, em relação ao primeiro volume, por isso sem problema. Há contextualização e por isso a leitura flui muito bem à mesma.
Em relação à história base, esta é sobre o melhor amigo e a melhor amiga do casal anterior que sempre discutiram por tudo e por nada mas que de repente se apercebem que tudo isso era atracção acumulada e contida. Apesar de ser uma história cliché acaba por ser engraçado devido às personalidades de ambos - Carter, o político/advogado e Eliza, a casamenteira com um passado misterioso. É este passado que depois vai desenvolver o romance visto que tudo vai girar à volta deste. Não vou contar a história dela, mas apenas digo que tudo isso tornou este romance numa espécie de thriller suave, com suspense, acção, e tudo o que se tem direito mas em doses pequenas com muito romance à mistura.
Apesar de ser um ponto negativo de uma perspectiva, o facto destes romances, principalmente os últimos que tenho lido, se resolverem sempre porque o personagem masculino principal é milionário acaba por dar aquele toque de irrealidade que nos faz gostar de ler o livro e fantasiar à vontade. Penso que toda esta ilusão de que homens ricos são bonitos e inteligente e se apaixonam desta maneira é sempre uma maravilha e por isso porque não aproveitarmo-nos destas obras para fantasiarmos um pouco? Por outro lado esta "técnica" acaba por ceder um pouco para o facilitismo, visto que resolver ou desenvolver uma obra quando há todo o dinheiro do mundo para transportar, comprar, etc os personagens de um lado para o outro torna tudo mais fácil. Acho que esta questão tem piorado cada vez mais, principalmente com a febre "Grey", mas como digo também tem o seu lado positivo.
Voltando à obra em questão, adorei o final, principalmente porque estão envolvidas personagens em número decente. Não são só os dois, mas também não há uma panóplia de personagens para divagar. É um romance curto, mas que enche todas as medidas. Penso que a minha opinião deste é semelhante ao primeiro por isso é mais um ponto positivo para Catherine Bybee. Em relação ao próximo, e sem ler a sinopse, já se adivinha o casal-chave. A personagem feminina, Gwen, não me cativa muito pelo seu QI baixo, mas pode ser que Neil nos surpreenda a dobrar.

Carter Billings: Com o seu cabelo louro e a aparência de estrela de Hollywood, Carter pode ter todas as mulheres que quiser. Mas quando se candidata a governador da Califórnia, sabe que terá de assentar e tornar-se um homem de família. A sua escolha recai sobre Eliza Havens, que gere uma agência matrimonial. Eliza Havens: Eliza sente-se feliz por a melhor amiga ter um marido rico e adorável. O que a deixa doida é o melhor amigo dele: o sensual e ousado Carter Billings. Nunca nenhum homem a arreliou tanto…nem lhe fez bater o coração assim tão depressa. É a juntar casais que ela ganha a vida, mas há segredos antigos que a têm impedido de ela própria se casar… até agora.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!