10 de dezembro de 2016

Opinião Contemporânea: "Os muitos nomes do amor" de Dorothy Koomson




Estou de volta aos livros da Dorothy e graças a deus que voltei a gostar de um livro da autora.


Não é que não tenha gostado do anterior dela: 'os Aromas do Amor", mas gosto mais da nossa Dorothy com o seus romances contemporâneos, sem mistério ou pitadas de policial.

Apesar de ser um calhamaço de quase 500 paginas foi lido com gosto e interesse de uma ponta à outra (óbvio né?) 😋 O que quero dizer é que muitas vezes em livros grandes, o ritmo do livro é muito inconstante porque como há muitas páginas, normalmente há sempre ali uma parte mais secante ou de enche chouriços. Eu não senti aqui que havia isso mas na verdade se pudesse tirar uma ou outra situação, o livro não teria perdido nada, mas pronto não considero que o livro tenha palha, apenas mais uma vez a Dorothy mete a protagonista em situações que depois não têm grande consequência.

25742852Aqui por exemplo foi a introdução da personagem do Luke. Tanto apareceu como desapareceu e na verdade só serviu como motivo para a Clem entender com quem afinal queria ficar. Foi a personagem mais dispensável do livro. Até a Nancy teve mais importância que ele e era simplesmente insuportável.


Gostei muito de toda a temática do livro, que é a adoção. Acho que a Dorothy conseguiu transmitir, através da protagonista, os pensamentos e dúvidas que muitas pessoas adotadas devem sentir. Eu não posso falar por experiência própria mas acho que é um livro bastante realista.

A minha parte preferida foi a interação da Clem com as duas famílias e de como ela mudava tanto na presença de uma como de outra. Deu para ver várias facetas da protagonista e assim ter uma visão muito mais completa dela.
Acho que a Clem é uma das personagens mais fortes que a Dorothy criou, eu sem dúvida adorei a sua personalidade e força.

Embora haja momentos de romance, não é o foco principal e portanto neste aspecto não há grande coisa a dizer.

Adorei a estoria paralela da Abi com o Jonas e como no fim tudo se interligou tão bem.


É um livro muito bom e que toca em assuntos sérios como a adoção e o racismo. Aconselho a sua leitura. 


Clemency Smittson foi adotada em bebé, e a única ligação à mãe biológica é um berço de cartão com borboletas pintadas à mão. Agora adulta, e em constante conflito com sentimentos de perda e rejeição, decide mudar drasticamente de vida e voltar a Brighton, a cidade onde nasceu.
Mas Clem não sonha que é lá que vai encontrar alguém que sabe tudo sobre a sua caixa das borboletas e a verdadeira história dos seus pais biológicos.
E quando percebe que nem tudo é o que parece, e que talvez tenha sido injusta com aqueles que mais a amam, haverá tempo para recuperar o que foi perdido?



 

1 comentário:

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!