Editorial Presença,

Opinião Young-Adult: "Já te disse que te amo?" de Estelle Maskame

abril 02, 2018 Inês Santos 0 Comments


MEAN GIRLS

Já te disse que te amo? foi um livro que apesar de viciante, me foi deixando confusa, com sentimentos muito contraditórios. Por um lado não pude deixar de fazer comparações com Paixão Sem Limites de Abbi Glines. Existem demasiados pontos em comum, principalmente nas personagens principais, na sua história e como se desenrola tudo, mas aqui há menos cenas sexuais, por exemplo, e mais cenas recheadas de drama.
Gostei da história de Tyler, que foi o meu personagem preferido neste livro, mas achei estranha a relação entre a mãe deste com o pai de Eden. 
Acabei por não perceber bem a causa do divórcio entre os pais de Eden, já que esta não está muito explicita. Também não percebi o ódio de Tyler pelo padrasto - tudo o que li foi um encarregado de educação a fazer o seu papel perante um adolescente rebelde. Também não encontrei razão/explicação sobre de onde é que veio a fortuna de Tyler. Muitas questões ficaram por ser explicadas, que apesar de não terem nenhuma relevância para a história que está a ser contada, acaba por contribuir para a falta de veracidade de tudo.
Gostei das personagens de Megan, Rachel (ou Rachael) e Tiffany - fez-me lembrar aquele trio de barbies da série Morangos com Açúcar ou do filme Mean Girls. A dinâmica delas e as atitudes de cada uma vão encher as páginas a par do romance principal com muita animação e outras emoções como irritação e algum revirar de olhos (não é uma emoção, mas percebem o que quero dizer).
Apesar de gostar de Tyler, achei-o demasiado promíscuo, o que se nota mais ainda no final quando supostamente as coisas se resolvem, ou não, e ele se envolve demasiado rápido com elas. O facto de Eden não se preocupar com isso também me transcende, mas supostamente as novas gerações são assim (verdade?) e isto deve ser um retrato disso. Se sim, ponto para Estelle Maskame. O mesmo para o assunto das drogas e do álcool. Curiosamente estas cenas foram o que mais me agradou em termos realismo. O álcool já é comum ser encontrado neste género de romances, mas a parte das drogas e da outra questão (não posso dizer) não é tão usual. Sinceramente julgo nunca ter lido nada com este tema, excepto n'Os Filhos da Droga (se não leram, recomendo que tratem disso).
Gostei também de Dean, mas não percebi o seu papel neste volume. Espero que isso se altere no segundo e que não seja só o que parece Não havia razão para ele se envolver desta forma, digo eu.
Há muitas lágrimas e muito drama neste livro - preparem-se! Tal como alguns diálogos constrangedores, como quando ele lhe diz num discurso bastante romântico que a acha linda e maravilhosa e ela lhe responde que o acha interessante! Hum, foi uma saída algo estranha, que acabou por ser bastante comum em Eden, principalmente na primeira parte do livro. Graças a estes comentários e algumas atitudes acabei por achá-la tão infantil como as suas novas amigas.
A questão da atracção está bem conseguida, mas continuo a achar que foi pouco desenvolvida. Fora aqueles momentos em casa de ambos, nas cenas finais já não senti tanto a ligação entre eles. 
O final é algo agridoce e meio insensível. O da mãe de Eden foi demasiado fácil a meu ver, ainda por cima para que é que quis ir para ali onde tem outra pessoa com quem ela não se quer relacionar? Acabou por haver "transporte" de personagens e troca de vidas que ficou ali muito concentrado nos últimos capítulos. A parte insensível foi a questão de ultrapassarem algo que supostamente é tão forte e ainda por cima andam com outra pessoa bastante rápido. hum... não me convenceu.
De qualquer forma vou querer ler o próximo: Did I Mention I Need You? mas espero que haja alguma evolução das personagens, principalmente na maturidade.


Para mais informações consultem o site da Editorial Presença aqui.
Eden, de dezasseis anos, vai passar o verão na Califórnia com a nova família do seu pai, numa tentativa de esquecer o drama que deixou em casa. Mas quando conhece Ella, a madrasta, e os seus três filhos, Eden mal sabe o que a espera.O filho mais velho de Ella, Tyler Bruce, é um autêntico bad boy: sedutor, egocêntrico, violento... Eden não o suporta. Mas com o passar do tempo, Eden descobre nele uma grande fragilidade, consequência de um passado difícil. Ao tentar perceber a verdade sobre Tyler, Eden dará por si a apaixonar -se pela única pessoa por quem isso não devia acontecer...

0 comentários:

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!