Opinião da Ne,

Opinião Contemporânea: "Sorrisos Quebrados" de Sofia Silva

abril 26, 2018 Inês Santos 0 Comments



Sorrisos Quebrados foi mais um conto digital que meti no meio das minhas leituras do mês. Mais uma vez, com uma pilha tão grande em cima da minha mesinha de cabeceira, não resisti já que houve comparações de seguidoras nossas desta escritora com outras que eu gosto tanto, como Brittainy C. Cherry e Colleen Hoover. Ora, se me fazem uma comparação destas, para mim significa uma leitura com 100% de certezas de satisfação e por isso tratei de arranjar e começar a ler.
Outra razão para ler, foi o facto desta autora ser nacional, mas com tanto sucesso no Brasil, e achei que é uma grande falha nossa só agora conhecermos semelhante(s) obra(s). Portanto, aqui está o meu tributo a Sofia Silva.

Série Quebrados (ordem fornecida pela nossa seguidora Kimberly, obrigada):
1 - Sorrisos Quebrados
2 - Corações Quebrados
2.1 - Sonhos Quebrados - mini conto
3 - Destinos Quebrados
4 - Heróis Quebrados

Sofia Silva começa o conto com cenas bastante agressivas e muito descritivas que quase nos provocam dor física. Essa parte conquistou-me logo à primeira, pois ela não nos poupou a nada e assim a ligação com a personagem principal foi imediata e de forma bem vincada. Paola, brasileira, simples, de coração cheio, vai sofrer traumas físicos e psicológicos que nos trazem lágrimas aos olhos. Muitas vezes essas minhas lágrimas vêm da incapacidade de ajudar quando estamos a ler tal situação, descrita desta forma, que nos transporta e coloca lá mesmo ao lado como observadores. Depois a forma como ela sobrevive e vive mantém toda esta ligação com o seu sofrimento.
Conhecemos Rafaela, outro doce de pessoa, que apesar de ser uma personagem muito secundária, vai contribuindo a pouco e pouco e simbolizando o lado bom das pessoas. Fiquei curiosa por saber a sua história, mas não senti ligação com Pedro, portanto a curiosidade é só mesmo para o seu Passado.
Todas as personagens que encontramos aqui têm algum tipo de trauma, além disso a maior parte das cenas são passadas na Clínica, uma instituição para pessoas que precisam do seu espaço para se recuperarem. Apesar de ter tentado perceber se esta clínica era gratuita ou não (o que acabei por concluir que era a primeira opção já que André, o outro personagem principal, quando fala em ter dinheiro nunca fala em relação à instituição onde a filha passa a maior parte do tempo), nunca percebi onde vem o dinheiro de Paola. Indeminização? Herança?
Mas falemos no André, que tal como Paola nos conquista muito facilmente, principalmente graças à sua filha Sol. Tal como as personagens que já referi, este também é um coração de ouro, e para quem não é assim tão romântico poderá pensar que com tantas pessoas boas será que este conto não se torna muito lamechas? Ora, não vou negar que não tem partes demasiado poéticas, e em quantidades bastante generosas, mas por uma vez gostei muito de estar par a par com uma quantidade de personagens que apenas querem o bem, mas têm todo um monte de obstáculos. No caso de Paola, tudo se passa no Passado, no caso de André tem tanto no Passado como no Presente.
Não podemos falar de André, sem falar de Sol, a sua filha que juntamente com Paola vai contribuir para dar cor e luz a um romance que sem ela seria muito depressivo. Assim, a maior parte das cenas que lemos, quando não são com o casal protagonista é com esta pequena que, apesar de também ela ter os seus traumas, acaba por dar excelentes exemplos.
Sofia Silva também é muito generosa em relação às cenas de sexo, que acabam por tirar um pouco do mel do romântico e colocar uma pitada de erótico. A certa altura achei que a relação do casal principal acaba por ser só aquilo, sexo e mais sexo, e que Paola, compreensivelmente, melhora em termos de confiança graças a André, mas depois tem grandes recaídas, principalmente nestes momentos de intimidade.
Concluindo, gostei muito de conhecer as personagens desta autora e teria dado as cinco estrelas se não tivesse discursos tão melodramáticos e extensos. De resto, aqui está um romance que merece ser lido e reflectido.

Não posso deixar de colocar aqui o link das escolhas para os personagens do blog Compulsivamente Literária.

PaolaPerante Deus, o meu marido prometeu me amar.
Cuidar de mim. Ser meu amigo.
Perante todos, disse que me amava. Que seríamos felizes.
Viveríamos para sempre juntos.
Mentiu em tudo.
Até que um dia ele me disse que me mataria. E não mentiu.
A partir desse dia, vivi escondida no meu mundo, até André aparecer.
André
Eu não procurava nada. Não queria ninguém.
Não depois de tudo que vivera.
Meu coração estava escondido na escuridão, até Paola surgir com as suas cores, pintando minha vida.

0 comentários:

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!