8 de julho de 2016

Primeiras Impressões: "A Contadora de Histórias" de Jodi Picoult



Andei tanto tempo a poupar adquirindo ebooks para agora me dar uma crise, entrar na Bertrand e comprar logo dois e sem desconto!!!! 
A Contadora de Histórias já se encontrava na lista de desejos há muito tempo e deve ter sido isso que me impulsionou a comprar.
Apesar da capa ser tentadora (adoro-a), o que me cativa mais é mesmo a autora e as histórias que guarda dentro das suas obras. Não sei se sabem mas eu nunca li nada de Jodi Picoult apesar de, desde ontem, ter todos os livros delas publicados em Portugal. Tenho um feeling que me vou apaixonar por estes livros, mas tenho-me andado a preparar e a guardar até decidir pegar num.

Um romance profundamente honesto, em que Jodi Picoult explora graciosamente até onde podemos ir para impedir que o passado dite o nosso futuro.
Esta descrição só vem confirmar o que espero encontrar quando o ler, porque pelo que eu percebi Jodi Picoult está no mesmo patamar de Deborah Smith, cujos livros já li e da qual sou fã e fervorosa defensora, apesar de ela não precisar.
Em relação ao livro, tem mais de 500 páginas e por isso é um livro já para o grosso. As margens são q.b. e o tamanho da letra também, por isso temos que contar com uma história cheia de conteúdo, espero.
Sage Singer é padeira de profissão. Trabalha de noite, a preparar o pão e os bolos para o dia seguinte, tentando fugir a uma realidade de solidão, a más memórias e à sombra da morte da mãe. Quando Josef Weber, um velhote que faz parte do grupo de apoio de Sage, começa a passar pela padaria, os dois forjam uma amizade improvável. Apesar das diferenças, vêem um no outro as cicatrizes que mais ninguém consegue ver.
Tudo muda no dia em que Josef confessa um segredo vergonhoso há muito escondido e pede a Sage um favor extraordinário. Se ela disser que sim, irá enfrentar não só as repercussões morais do seu ato, como também potenciais repercussões legais. Agora que a integridade do amigo mais chegado que alguma vez teve está envolta numa névoa, Sage começa a questionar os seus pressupostos e as expectativas em torno da sua vida e da sua família.

2 comentários:

  1. Olá!
    Já li este livro há algum tempo e adorei. Jodi Picoult é uma das minhas autoras preferidas.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que até agora só dizem bem das obras desta autora. Por isso é que estou a fazer colecção, porque estou com fé que também eu me torne fã.

      Beijinhos

      Eliminar

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!