1 de março de 2016

Opinião New-Adult: "Kiro's Emily" de Abbi Glines



Pensava que com tão poucas páginas Abbi Glines iria saltar alguma parte importante. Tinha pensado nas cirurgias de Harlow, por exemplo, mas a autora não desiludiu.
O amor de Kiro pareceu-me algo obsessivo, principalmente por certas partes do corpo de Emily, parecendo mais atracção/tesão do que amor, o que não contribui muito para acreditar na sua devoção por ela. Ok, nota-se que ele não a larga, mas será que aquele sentimento de pertença está mais próximo do poder sobre ela ou da devoção?
A gravidez foi algo repentina - para quem não podia engravidar por motivos familiares, tudo aconteceu muito rápido e sem ele chegar a vias de facto (relações tiveram claro, mas estou a falar do "final"). E a questão do trabalho de Emily acabou por ficar em águas de bacalhau. Afinal como é que ela sobreviveu? Só às custas do dinheiro dele? Abbi Glines podia ter desenvolvido muito mais este meio da história, mas se era mesmo só para ser um anexo da saga compreende-se.
Um coisa que gostei foi da questão das virgindades das personagens femininas. A autora não pende nem para um lado nem para outro, o que é bom, visto que muitas autora descrevem sempre virgens nas suas sagas, aqui Abbi Glines sempre vai mudando. Neste caso  escolheu bem ao colocar mãe e filha nesse conjunto. Não estou a dizer que tem que ser genético, ahahahah.
Adorei as cenas com Rush quando criança e adorei rever Mase e Maryann. Acho que este conto (?) foi um óptimo acrescento, apesar de achar que devia ser o #0,5 da saga e não o #9,5, visto que se passa muito antes do romance de Rush e Blaire.
Também gostei por termos uma saída de Rosemary Beach para outro local. Apesar de adorar as descrições desta última e quase achar que já a conheço de uma ponta à outra, uma saidinha rápida deu para arejar e variar um pouco. Ponto positivo! Assim mesmo que estejamos a enjoar (o que não é o meu caso definitivamente) sempre lemos algo diferente.
Este volume também tendeu mais para o Young-Adult porque todos eles ainda são tão jovens, tanto de acções como de pensamentos. Isso foi diferente também, e conhecer o grupo de rock ainda adolescente fez-me imaginar uns One Direction mas mais rockeiros! Muito giros, mas um pouco mais bêbados e com mais doenças sexualmente transmissíveis (não estou a dizer que eles tenham alguma).
Resumindo, este livrinho está ao nível dos outros, mas podia ter sido um pouco mais desenvolvido, principalmente na questão da relação de Emily com sua mãe e todo aquele lapso temporal logo antes à gravidez e ao casamento.

O ano é 1992, e ninguém no mundo da música rock é mais sexy que Kiro Manning, o vocalista dos Slacker Damon. Com vários discos de platina, participação total nas paradas de Billboard, concertos esgotados, e quantidades pecaminosas de dinheiro, Kiro pode ter qualquer coisa - ou alguém - que quiser.
Portanto, quando uma morena, com uma beleza conservadora o rejeita numa festa pós-concerto, o seu primeiro pensamento é "Quem é que ela pensa que é?" O seu segundo pensamento: "Como é que a faço minha?" Kiro sempre adorou um bom desafio, mas nem todas as raparigas querem-se envolver com um deus do rock. Especialmente esta.
Ele deixou-a ir naquela noite, mas nunca a esqueceu. E quando eles se encontram outra vez, ele prometeu não desistir tão facilmente.
À medida que o mundo idolatrava Kiro, ele idolatrava esta rapariga, que se tornou tudo o que ele pensava não precisar. A única rapariga que ele alguma vez amou. A sua Emily.
(Tradução por ADPOC)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Dar feedback a um post sabe melhor que morangos com natas e topping de chocolate!